facebook  webmail-2  IOS NOVO  AND NOVO  anuario-icone

 

Newsletter

Inscreva-se aqui para receber as novidades da Diocese de Nova Friburgo.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
litoral-paroquia-santo-antonio-promovera-peregrinacao-mariana-dia-255A Paróquia Santo Antônio, em Macaé, promoverá a 7ª Peregrinação Mariana no próximo dia 25/5....
leigas-consagradas-participam-de-retiro-anualAs Leigas Consagradas da Diocese participaram entre os dias 17 e 19 de maio do Retiro Anual....
norte-pe-joao-tadeu-celebra-50-anos-de-vidaA Matriz Paroquial São João Batista, em Laranjais, celebrou em 11 de maio, às 18h, a Santa...

DIREITO VIOLADO

A voz do pastorCaros amigos, na semana passada falamos sobre importância da participação de todos na elaboração de políticas que favoreçam o acesso a uma educação de qualidade. Cientes de que é parte de nossa missão evangelizadora e elemento fundamental para a conquista do bem comum, seguiremos nossa reflexão voltados para as urgências educacionais de nosso tempo.

É preciso estabelecermos metas e criarmos caminhos que favoreçam o direito e a justiça, necessários para que o ensino seja colocado como prioridade nos planos de ação de todos os governos, cumprindo o que é garantido por lei.

É triste percebermos o quanto a educação vem se tornando instrumento de manipulação e de implantação de ideologias que ferem a dignidade humana e favorecem interesses partidários. Estas investidas destroem o verdadeiro sentido da educação, que é garantir “o desenvolvimento harmônico das qualidades físicas, morais e intelectuais finalizados ao gradual amadurecimento do sentido de responsabilidade; a conquista da verdadeira liberdade; a positiva e prudente educação sexual” (Cong. Para Educação Católica, 16 abr. 2017).

Diante desta perspectiva, fica a certeza de que a educação deve estar ao serviço de um mundo novo, onde a sociedade esteja aberta ao diálogo e à promoção do bem comum (cf. Gravissimum educationis, 1).

Para que isto seja possível, não se pode lesar a educação em nenhum dos seus componentes – social, moral e religioso. Ela deve prevalecer sobre toda tentativa de relativizar a verdade e os valores que contribuem para a formação integral da pessoa. Como adverte o Papa Francisco: “a educação será ineficaz e os seus esforços estéreis, se não se preocupar também por difundir um novo modelo relativo ao ser humano, à vida, à sociedade e à relação com a natureza” (Laudato Si, 215). Uma educação integral deve abranger todos os aspectos da pessoa, desde a face social até a espiritualidade.

Para que seja assegurado o direito das crianças e dos adolescentes de serem estimulados nos valores morais e a abraçá-los, bem como de conhecer e a amar Deus mais perfeitamente, o Concílio Vaticano II exorta que os cristãos devem “colaborar generosamente em todo o campo da educação, sobretudo com a intenção de que se possam estender o mais depressa possível a todos e em toda a parte os justos benefícios da educação e da instrução” (Gravissimum educationis, 1).

É neste sentido que relembro nosso dever de fiscalizar o cumprimento dos direitos de acesso ao Ensino Religioso confessional e plural nas escolas públicas e particulares, como garantido na Constituição Federal (artigos 205 e 210 §1º).

No Estado do Rio de Janeiro, desde o ano 2000, a lei ordinária 3459 dispõe que o Ensino Religioso “é parte integrante da formação básica do cidadão e constitui disciplina obrigatória dos horários normais das escolas públicas”. E ainda o Decreto Nº 31.086, de 27 de março de 2002, regulamentou o Ensino Religioso de forma confessional, estendendo sua oferta para o Ensino Médio.

Contudo, o que vemos acontecer na prática é bem diferente do direito garantido por lei. Após o Supremo Tribunal Federal decidir que as escolas públicas poderiam oferecer o Ensino Religioso confessional, a Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro declarou que esta prática não é mais adotada, descumprindo o determinado por lei (cf. O Globo, 28 set. 2017).

É nosso dever lutar pelos direitos que nos são assegurados. Não podemos cruzar os braços e entregar a construção de um mundo novo nas mãos de pessoas que estão mais comprometidas com o próprio bem-estar do que com o bem comum. É preciso vigiar, pois os “Filhos das trevas são mais astutos que os filhos da luz” (Lc 16,8).

Dom Edney Gouvêa Mattoso, Bispo Diocesano de Nova Friburgo

link hotsite3

PARÓQUIAS DA DIOCESE

 

Pensamento da Semana

 O que nos dá alegria e nos aproxima de Deus devemos buscar para os irmãos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso