facebook  webmail-2  IOS NOVO  AND NOVO  anuario-icone  icone mariano branco3 

 

Newsletter

Inscreva-se aqui para receber as novidades da Diocese de Nova Friburgo.

Dom Edney Gouvêa Mattoso

FIAT-NOVO

DISCURSO DE DOM EDNEY GOUVÊA MATTOSO, NA MISSA DE POSSE EM NOVA FRIBURGO

Nova Friburgo, 13 de março de 2010.

Meu querido povo da Diocese de Nova Friburgo,

Não quis falar de improviso para não correr o risco de ser traído pela emoção, que não é pequena.

Antes de dirigir estas primeiras palavras, já como bispo de uma parcela tão importante da Igreja no Estado do Rio de Janeiro, quero saudar as autoridades presentes; Excelentíssimo e Reverendíssimo Núncio Apostólico Dom Lorenzo Baldisseri; Excelentíssimo e Reverendíssimo Dom Rafael Llano Cifuentes, Presidente do Regional Leste I e 3º Bispo de Nova Friburgo, na pessoa de quem saúdo os Bispos do Regional, meus irmãos no enfrentamento de tantos desafios eclesiais; Estimado Dom Alano Maria Pena, Arcebispo de Niterói, Metropolita desta Província Eclesiástica e 2º Bispo de Nova Friburgo; Excelentíssimo e Reverendíssimo Dom Clemente José Carlos Isnard, 1º Bispo de Nova Friburgo; demais Arcebispos e Bispos; a todos minha reverência e respeito. Padres e Diáconos do Clero Friburguense e de outras Dioceses; meus irmãos Padres da Arquidiocese do Rio, a quem saúdo na pessoa do querido Arcebispo Metropolitano Dom Orani João Tempesta; Religiosas e Religiosos do Clero Regular; meus irmãos e irmãs leigas que constituem a vitalidade da Igreja nas duas Arquidioceses e demais Dioceses do Estado do Rio de Janeiro; recebam meu carinho e admiração. Prezadas Autoridades do Estado do Rio de Janeiro; Excelentíssimo Sr. Sergio Cabral Filho, Governador do Estado; Excelentíssimos Senhores Prefeitos dos 19 Municípios que constituem a nossa Diocese, a quem saúdo na pessoa do Prefeito de Nova Friburgo Sr. Heródoto Bento de Mello; Excelentíssimo Sr. Eduardo Paes, Prefeito da cidade do Rio de Janeiro; demais autoridades civis e militares.

Dirijo-me a todos, como representantes legítimos do nosso povo, assegurando-lhes que encontrarão no Bispo uma atitude respeitosa e cortês, além de permanente disponibilidade para o diálogo, sem jamais comprometer a missão espiritual que recebi do Senhor. Da mesma forma, alimentarei pessoalmente e transmitirei aos fiéis uma grande estima pela função pública, sem jamais admitir restrições à liberdade apostólica de anunciar abertamente o Evangelho e os princípios morais e religiosos, inclusive em questões sociais.

Estarei pronto a louvar o autêntico compromisso e as bem intencionadas iniciativas em favor da promoção do nosso povo, mas serei veemente em condenar toda ofensa pública da lei de Deus e da dignidade humana. O Senhor Jesus me pede para lançar as redes em águas mais profundas. Aqui estou; vim para servir a esta Igreja particular, o que procurei fazer com todo amor e solicitude paternal, buscando, acima de tudo, o ideal de Jesus Cristo e o bem de sua amada esposa, a Igreja. Não uma Igreja idealizada em nossos pensamentos, mas uma Igreja que caminha em meio a luzes e sombras, nas alegrias e perplexidades de nosso tão conturbado século XXI. Não posso esquecer de que é precisamente nesta realidade que o anúncio do Evangelho deve ser a luz que dá sentido à nossa existência.

Venho para Nova Friburgo sem ilusões de encontrar uma comunidade isenta de problemas e dificuldades; sei que existem, mas nada disso me assusta; afinal, sabemos em quem colocamos a nossa confiança.

Desde que tomei conhecimento de minha nomeação, procurei aprender um pouco mais sobre a jovem Diocese de Nova Friburgo, que brevemente estará comemorando o cinqüentenário. Seus quase 10.000 quilômetros quadrados de extensão exigem do Bispo Diocesano uma presença efetiva e atenta às mais diversas realidades, valorizando as características próprias de cada lugar, sem com isso abrir mão do que é absolutamente irrenunciável para a promoção da plena unidade eclesial.

Tenho consciência de que devo servir como guardião da fidelidade doutrinaria, da dignidade e nobreza do culto divino, da comunhão com a Sé de Pedro. Permanecerei sempre atento ao cumprimento da Doutrina Social da Igreja, principalmente na defesa dos menos favorecidos e da instituição familiar, na promoção dos valores humanos e cristãos, no respeito à vida desde a sua concepção até o seu declínio natural.

Entre outras prioridades presentes ao coração novo Bispo, está uma atenção muito especial à vivência do ecumenismo com outras confissões cristãs, ao permanente diálogo interreligioso, sempre num profundo respeito pela diversidade, valorizando as respectivas identidades culturais. Trabalharei com todo afinco pela liberdade religiosa junto às diversas instâncias de governo, principalmente na defesa e promoção de um ensino religioso confessional e plural. Este é o fundamento para que o diálogo seja verdadeiramente cultivado no coração das nossas crianças e jovens, verdadeiros artífices do futuro e protagonistas de uma sociedade mais justa e fraterna.

A concretização de tantos ideais deve brotar da unidade no seio da nossa Diocese, que pretendo promover incansavelmente. Por este motivo, valho-me da oportunidade para anunciar a realização de uma Assembléia Diocesana dedicada à elaboração do Plano de Pastoral de Conjunto. Com a graça de Deus, esperamos que dele possa emergir o rosto da Igreja Friburguense com todos os seus contornos.

Enfim, como Bispo Diocesano, cumprindo o mandato confiado a mim pelo Senhor Jesus, tenho a certeza de que jamais me faltará a graça divina e o empenho humano de assegurar a esta Igreja a nota da apostolicidade, para que o Evangelho se conserve sempre íntegro e vivo, isento de ideologias estranhas que o desfigurem.

Para o comprimento desta grande missão evangelizadora, quero destacar, e o faço com grande afeto, a participação insubstituível dos Sacerdotes, Diáconos Permanentes e demais colaboradores desta Diocese. Cada um, indistintamente, encontrará no seu Bispo um pai a incentivá-los nas grandes e pequenas realizações pastorais, em união diante das dificuldades de toda sorte. Buscarei sempre animar, consolar e quando necessário, corrigir com firmeza, na caridade, tendo em vista o amadurecimento progressivo no exercício do Ministério, para o bem de toda a Igreja.

Meus prezados irmãos, não podemos confundir caridade com omissão ou conivência. A caridade, sem o amparo da verdade e da justiça, certamente se corrompe e se transforma numa expressão leviana e esvaziada de significado.

Convoco, também, todos os representantes do Laicato, membros do Conselho Regional de Leigos com quem trabalho em nível de Leste I, Movimentos e Serviços de Apostolado Leigo, Irmandades, Institutos de Vida Apostólica, que manifestam a exuberância e riqueza de uma Eclesialidade dinâmica. Estaremos empenhados em aprofundar o espírito de colaboração fraterna e aumentar a estima recíproca, para apresentarmos à sociedade que nos interpela o exemplo de unidade e de caridade, segundo o mandato do Senhor: “Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros (Jo 13,35).

Desejo enfrentar, com humilde confiança em Deus e coerente destemor, os desafios que a hora presente traz consigo neste inicio de terceiro milênio – problemas novos (como já mencionei anteriormente), grandes progressos e repentinas mudanças.

Terei sempre presentes as riquíssimas orientações dos Sangrados Concílios, notadamente do Concílio Vaticano II e do Código de Direito Canônico, bem como as Exortações Pontifícias e tantos outros ensinamentos do Magistério Ordinário e Extraordinário, como poderosos auxílios para o desempenho da missão que iniciamos.

Quero, desejo, anseio profundamente ser pastor e pai que acolhe os seus, para com eles sorrir nas horas alegres e chorar quando os horizontes do sofrimento se manifestarem na historia que, a partir de agora, estaremos escrevendo juntos.

Já tive a oportunidade de agradecer ao Santo Padre, o Papa Bento XVI, pela confiança em mim depositada, nomeando-me para a Sé de Nova Friburgo, mas tenho a firme certeza de que, para além de todas as injunções da história e das conveniências humanas, surge luminosa e cristalina vontade soberana de Deus.

Que a Virgem Imaculada Conceição, minha excelsa Padroeira e Padroeira principal de Nova Friburgo, interceda por nós, para que a benção de Deus fecunde o nosso pastoreio e faça florescer a comunidade diocesana.

Dom Edney Gouvêa Mattoso - Bispo Diocesano de Nova Friburgo

link hotsite3

PARÓQUIAS DA DIOCESE

 

Pensamento da Semana

 O que nos dá alegria e nos aproxima de Deus devemos buscar para os irmãos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso