facebook  webmail-2  IOS NOVO  AND NOVO  anuario-icone 

 

Newsletter

Inscreva-se aqui para receber as novidades da Diocese de Nova Friburgo.
sede-ano-do-laicato-festa-de-nossa-senhora-das-gracas-comecou-neste-final-de-semanaA tradicional festa de Nossa Senhora das Graças teve início neste sábado, 17, e movimentou o...
sede-pastoral-familiar-do-vicariato-tem-novo-assessor-e-novos-integrantes-na-comissao-vicarialA Pastoral Familiar do Vicariato Sede passou por um momento de transformação. Em reunião...
bispo-abre-curso-de-formacao-de-liturgia-do-regional-leste-iNa manhã de 10/11, o Bispo Diocesano, Dom Edney Gouvêa Mattoso, também Animador da Pastoral...
diocese-participa-de-seminario-sobre-o-acordo-brasil-santa-seEntre os dias 12 e 14 de novembro, a Diocese de Nova Friburgo esteve presente no Seminário...
sede-com-sete-dias-de-oracao-catedral-realiza-cerco-de-jerico-2018A Igreja Mãe da Diocese de Nova Friburgo: a Catedral São João Batista, realizou entre os dias...

Salmo 102: Hino à misericórdia do Senhor

Caros amigos, no último artigo, refletimos sobre o louvar a Deus. De fato, nasce do coração humano um natural hino de agradecimento a Deus por sua bondade. Como reza o Salmo 102: “Bendize, ó minha alma ao Senhor (...). Pois ele te perdoa toda culpa, e cura toda a tua enfermidade”. (v. 2-3)

Quando a alma experimenta este sublime afeto, transborda em ações de graças e hinos de louvor. Não posso deixar de pensar, enquanto reflito sobre este salmo, no grande número de pessoas que andam tristes e desesperadas simplesmente porque ainda não aprenderam a viver próximas ao manso e humilde coração de Deus. Não basta cantar um salmo, é necessário vivê-lo! Prestem atenção às palavras do salmista: “Como um pai se compadece de seus filhos, o Senhor tem compaixão dos que o temem”. (v. 13)

O amor de Deus nos move (Cfr. 2Cor 5, 14), e é o único meio para a efetiva transformação do mundo em que vivemos. Somente a indulgência e o perdão são capazes de mudar um coração, que é a via régia do bem pessoal e comunitário. Olhando para a grandeza de Deus, o homem reconhece sua pequenez: “Porque sabe de que barro somos feitos, e se lembra que apenas somos pó. Os dias do homem se parecem com a erva, ela floresce como a flor dos verdes campos; mas apenas sopra o vento ela se esvai, já nem sabemos onde era o seu lugar. Mas o amor do Senhor Deus por quem o teme é de sempre e perdura para sempre” (v. 14-16). E se aproxima de todos os homens. Afinal, o que seria do homem se Deus não tivesse rasgado o seu coração, deixando fluir de seu interior rios de misericórdia?

Este Ano Santo nos convida a destruir os muros ilusórios de separação para sermos misericordiosos como o Pai: “O amor do Senhor Deus por quem o teme é de sempre e perdura para sempre” (v. 14. 17). A fidelidade de Deus é a força para que o homem também seja fiel e verdadeiro com o seu próximo.

A gratidão do fiel perdoado, portanto, inclui o cuidado do irmão. “Etimologicamente, misericórdia significa abrir o coração ao miserável. E vamos logo ao Senhor: misericórdia é a atitude divina que abraça, é o doar-se de Deus que acolhe, que se dedica a perdoar. (...) A misericórdia é a carteira de identidade de nosso Deus”. (Papa Francisco, “O nome de Deus é misericórdia”, p. 37)

Pensando bem, todos chegarão à conclusão de que, quando os homens imitarem mais fielmente o modo de agir divino, começarão a construir, então, o mundo que todos sonhamos viver e deixar aos que virão depois de nós. Este será o verdadeiro hino à misericórdia do Senhor.

Dom Edney Gouvêa Mattoso, Bispo Diocesano de Nova Friburgo

link hotsite3

PARÓQUIAS DA DIOCESE

 

Pensamento da Semana

 O que nos dá alegria e nos aproxima de Deus devemos buscar para os irmãos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso